País teve emissões brutas de 1,939 bilhão de toneladas de CO2 equivalente

EMISSÕES NA ÁREA DE ENERGIA NO BRASIL CAEM 5% EM 2018

As emissões brasileiras de gases de efeito estufa se mantiveram estáveis em 2018. A informação é do Sistema de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima. Na área de energia, que foi considerada o destaque positivo houve queda de 5% nas emissões, causadas pelo aumento do uso de etanol no transporte de passageiros, pela adição obrigatória de biodiesel ao diesel e pelo incremento de renováveis na geração de eletricidade. Também houve um forte crescimento da energia eólica e aumento das chuvas, que fez com que termelétricas fósseis fossem desligadas e UHEs continuassem a operar. Devido ao menor acionamento de usinas térmicas, as fontes não-hídricas ultrapassaram as fósseis pela primeira vez e, em 2018, foram a segunda maior fonte de eletricidade para o país.

O país teve emissões brutas de 1,939 bilhão de toneladas de CO2 equivalente, um valor 0,3% maior do que o 1,932 bilhão de toneladas verificado em 2017, ficando estáveis na comparação com o ano anterior. As emissões decorrentes da alta de 8,5% no desmatamento da Amazônia no ano passado foram em parte compensadas por uma redução de cerca de 10% na destruição do Cerrado, o que fez as emissões por mudança de uso da terra crescerem 3,6%. As emissões de agropecuária, processos industriais e resíduos tiveram pequenas variações: queda de 0,7% no primeiro setor e aumento de 1% nos outros dois.

 



Página 5 de 259