Secretário acredita que em dez anos o Brasil deverá estar entre os dez maiores produtores de gás natural do mundo

LEILÕES DE ENERGIA DEVERÃO TER NOVAS REGRAS A PARTIR DE 2020

Os leilões para a contratação de nova capacidade de geração de energia poderão passar por mudanças nas regras a partir do próximo ano. A informação foi dada pelo secretário de Planejamento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Reive Barros. Segundo ele, o novo governo teve o cuidado em manter, neste ano, as mesmas regras utilizadas em 2018. No entanto, deverá ser aberta uma audiência pública, com propostas de mudanças nas diretrizes dos leilões, para que os agentes possam participar desse processo.

O secretário ressaltou que o novo mercado de gás fará uma revolução no suprimento energético do país, permitindo que termelétricas e os setores industrial e comercial substituam combustíveis poluentes e caros pelo gás natural. De acordo com Barros, em dez anos, o Brasil deverá estar entre os dez maiores produtores de gás natural do mundo.

A demanda do gás natural passa pelo setor elétrico. Segundo o Plano Decenal de Energia (PDE), o Brasil precisa adicionar 13,8 GW de térmicas. Além disso, existem térmicas a óleo combustível (5GW) cujos contratos vencem entre 2022 e 2025. A ideia é que essas usinas tenham o combustível substituído pelo gás natural.