Objetivo é ampliar o portfólio de ativos com investimentos próprios e na geração de energia

FURNAS IRÁ MANTER APORTE DE R$ 1,4 BILHÃO PARA 2020

Furnas anunciou que planeja manter os investimentos de R$ 1,4 bilhão em geração e transmissão de energia para 2020. O objetivo é ampliar o portfólio de ativos com investimentos próprios e na geração de energia através de parques eólicos e usinas solares flutuantes, já que o momento não é propício para construção de novas hidrelétricas. A empresa também divulgou que vai compartilhar a expertise de seus profissionais com o mercado, criando uma unidade de serviços para a área de engenharia como um novo negócio dentro da companhia.

Furnas conta atualmente com 21 usinas hidrelétricas (quatro próprias, seis sob administração especial, duas em parceria com a iniciativa privada e nove sob a forma de SPEs), além de três parques eólicos em participações e duas térmicas convencionais. A ideia é aplicar os recursos na planta eólica de Fortim (123 MW), no Ceará, que deverá ser finalizada em dezembro, e na inserção da fonte solar através de projetos P&D, como no caso das usinas solares flutuantes nos reservatórios das hidrelétricas, e de geração distribuída, como na usina de Anta, no interior do Rio, para aliviar as contas da empresa.

A experiência da UFV flutuante foi observada por executivos da empresa em países como China e Canadá. A ideia é interessante tanto pelo aproveitamento do espaço antes inutilizado quanto pela temperatura das águas, que trazem um maior rendimento a esses sistemas. Há também o fato de uma região hidrelétrica contar com um amplo sistema de escoamento e controle de energia para a rede, pronto já para novas eventuais cargas.

Além da disciplina financeira e dos projetos citados acima, a estatal está atenta a novos negócios com a possibilidade de investir em Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) a partir de futuras parcerias.